ccs-logo

Mais do que nunca, celebremos!

Foto: Diogo Vasconcellos - CoordCOM/UFRJ

Mais do que nunca celebremos 2017

Reitor da UFRJ homenageia professores

Em tempos de irracionalismo, as professoras e os professores têm mantido acesa a chama do conhecimento, em prol da liberdade e da emancipação humana. Nas escolas e universidades, têm demonstrado emocionante coerência, inteligência e vigor para impedir que a educação pública seja engolfada pelas manifestações da crise que transtorna o país – do desmonte do aparato de ciência e tecnologia ao estrangulamento financeiro das universidades federais, abrangendo, inevitavelmente, a esfera política.

A celebração da data comemorativa é uma manifestação sobre o futuro, antecipa desejos e expectativas sobre o fazer docente. E, por isso, não podemos deixar de pensar nos desafios imediatos. O trabalho docente está se intensificando de modo preocupante. Exigências diversas (avaliação dos programas de pós-graduação e da carreira, publicações, orientações, projetos, turmas com grande número de estudantes, etc.) precisam ser reexaminadas, em nome da saúde física e mental e da capacidade criadora.

A intensificação do trabalho é potencializada pelas radicais transformações nos loci de produção do conhecimento e impulsionada por novas tecnologias de informação. A divulgação meteórica de novas publicações, a influência direta do poder econômico na pesquisa e na divulgação científica exigem, cada vez mais, exaustivo esforço de síntese, objetivando apreender as principais problemáticas científicas e colocar em relevo a ética no fazer científico. Tudo isso está ocorrendo em um contexto de queda abrupta das condições materiais para o desenvolvimento acadêmico e institucional.

A pós-verdade, neologismo que foi dicionarizado, tal a sua amplitude, o recrudescimento do fundamentalismo religioso, a censura sem constrangimentos à arte “degenerada”, a hostilidade diante das concepções secular e laica da vida, como se depreende de investidas de movimentos irracionalistas e de setores do judiciário contra a liberdade de pensamento e os preceitos fundamentais do estado de direito, tudo isso torna a docência uma atividade que se encontra no olho do furacão dos conflitos provocados pelo giro conservador que se espalha em diversas partes do mundo e no Brasil em particular.

Mas, para desespero dos que querem silenciar as polissêmicas vozes dos (as) docentes, as universidades públicas estão vibrantes. Em diálogo com os (as) estudantes, atuam a favor da liberdade, da cultura e do esclarecimento crítico. Sabem que a prática da autonomia universitária é decisiva nos tempos atuais. E que urge enfrentar novos desafios, objetivando fortalecer o conceito de comunidade acadêmica. Novos desafios, emocionantes e inspiradores, interpelam a docência universitária, como a acelerada mudança no perfil socioeconômico dos estudantes das universidades públicas, fazendo-nos lembrar o quanto a educação é desigual em uma sociedade de classes.

Estudantes, docentes e técnico-administrativos estão desafiados a constituir espaços dialógicos em proveito do livre desenvolvimento das culturas, das ciências, das artes e das tecnologias. Em todos os níveis, em todas as esferas, a docência realimenta o altruísmo, a ideia de que compartilhar é melhor do que guardar para si. Seguimos criando, forjando sociabilidades democráticas, lutando pela formação integral de todos os estudantes. Em reconhecimento ao gesto altruísta e corajoso de Helley Abreu Batista em prol da vida de seus estudantes, afirmamos: estamos juntos  na defesa de ideias, de perspectivas de igualdade, da convivência democrática e da busca do bem viver de  todos(as)!

Roberto Leher

Rio de Janeiro, 15 de outubro de 2017  

PATENTES, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO

Patentes Inovacao e Desenvolvimento 2017

A 8ª edição do Seminário Internacional Patentes, Inovação e Desenvolvimento será realizada no Centro de Convenções das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro – FIRJAN –, na Avenida Graça Aranha, nº 1, Centro, das 10 às 18 horas do dia 7/12, tendo prazo de inscrição até o dia 4/12. Trata-se de uma realização da Associação Brasileira da Indústria de Química Fina, Biotecnologia e suas Especialidades (ABIFINA). O debate será em torno do tema “Economia e tecnologia para o desenvolvimento industrial brasileiro”.

Duas questões centrais ganham destaque na programação: as propostas do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) para a redução do backlog e o estímulo à inovação tecnológica como instrumento para o fortalecimento da indústria brasileira.

A necessidade do combate ao backlog de patentes é fundamental para o desenvolvimento do setor industrial brasileiro. No entanto, a proposta recente do INPI, que envolve o abandono do exame substantivo das patentes depositadas, podem não trazer os resultados esperados.

Dúvidas sobre a eficácia das medidas - uma ação temporária será suficiente para extinguir o acúmulo de análises ou o backlog irá se recompor tão logo os mecanismos anunciados sejam suspensos? - e o risco de se aprovarem patentes frágeis do ponto de vista jurídico, aumentando o potencial de judicialização dos processos, tomam conta das discussões.

As perguntas estão postas e serão aprofundadas em um dos painéis do VIII SIPID, coordenado pelo membro do Conselho Consultivo da ABIFINA, Marcos Henrique de Castro Oliveira. O cenário econômico atual do Brasil, com a suspensão de diversas modalidades de fomento à indústria brasileira devido aos cortes de gastos do governo e a consequente fragilização do parque industrial nacional são outras preocupações que serão debatidas.

Os organizadores afirmam que é o momento de agir para reverter o quadro desindustrializante do país e a inovação tecnológica se apresenta como um instrumento importante de fortalecimento da indústria e de desenvolvimento nacional. Para tratar desse assunto, o seminário terá um painel coordenado pelo presidente do Conselho Empresarial de Tecnologia da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro, Fernando Sandroni.

Contato pelos e-mails: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.  e O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Inscrição e toda a programação no link:

http://www.abifina.org.br/eventos_detalhe.php?evt=17

CCS se une às manifestações pela morte do reitor da UFSC

CCS se Une as Manifestacoes pela Morte do Reitor da UFSC 1 2017

A direção da Decania do Centro de Ciências da Saúde (CCS) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) se une às instituições e pessoas do setor acadêmico brasileiro na manifestação de condolências à família do professor Luiz Carlos Cancellier de Olivo, de 60 anos. Ele estava afastado do cargo de reitor da Universidade Federal de Santa Catarina sob acusação de irregularidades e tirou a própria vida, cometendo suicídio no dia 2/10, ao se jogar das escadas do 7º andar do Beiramar Shopping, em Florianópolis.

Luiz Carlos Cancellier, no cargo de reitor desde maio de 2016, teve prisão temporária (validade de cinco dias) decretada pela juíza substituta da 1ª Vara Federal de Florianópolis, Janaina Cassol Machado, cumprida pela Polícia Federal dia 14/9. A juíza justificava que ele “deliberadamente envidou esforços para barrar as investigações” que apura desvio de bolsas e verbas no valor de R$ 80 milhões de cursos de Educação à Distância do Programa Universidade Aberta.

Depois de libertado, Cancellier declarou à imprensa que “de forma peremptória, devo negar qualquer atitude que leve à obstrução da denúncia feita em relação à universidade. Nunca foi do feitio da reitoria e muito menos de nossa gestão a hipótese de obstruir investigação na universidade, que está submetida a uma série de controles da Controladoria-Geral da União (CGU), da Advocacia-Geral da União (AGU), Ministério Público, Conselho de Curadores, Conselho Universitário e uma série de outros órgãos”.

E negou também que tivesse conhecimento de irregularidade:

“Em um programa como esse da UAB, que vem sendo executado há mais de oito anos, sendo considerado excelência em ensino pela Capes, não haveria como a administração central obstruir qualquer investigação. Na atual gestão, procuramos sempre manter um clima de diálogo, de harmonia, reduzir as tensões, de desarmar os espíritos, de defesa da legalidade”.

“Decretei minha morte no dia da minha prisão”, assinalou o reitor em bilhete.

CCS se Une as Manifestacoes pela Morte do Reitor da UFSC 2 2017

O velório foi realizado simbolicamente, na 2ª feira, 2/10, na UFSC, onde, conforme a nota da Universidade de que “Impedido de entrar na universidade em decorrência da Operação Ouvidos Moucos, da Polícia Federal, a escolha por realizar o velório na instituição foi simbólica”. O caixão foi recebido com salva de palmas de estudantes, técnico-administrativos, docentes, familiares, amigos e autoridades, formando um corredor até a entrada principal do prédio da reitoria.

“O caixão chega pela porta da frente, que é o lugar por onde ele entrou nessa instituição como reitor. É justo que, nesse ato de despedida e homenagem, ele retorne pela porta da frente”, disse Áureo Moraes, chefe de gabinete, ao discursar no velório.

A morte do professor Luiz Carlos Cancellier de Olivo causou grande comoção no setor acadêmico e abriu discussão sobre práticas adotadas em operações policiais/judiciais contra corrupção referente a ordem de prisão de suspeitos com base em indícios de crimes.

A Ordem dos Advogados do Brasil de Santa Catarina afirmou, em nota, que é “chegada a hora de a sociedade brasileira e da comunidade jurídica debaterem seriamente a forma espetacular e midiática como são realizadas as prisões provisórias no Brasil, antes sequer da ouvida dos envolvidos, que dirá sua defesa”. O comunicado foi assinado pelo seu presidente, Paulo Marcondes Brincas, que deu aulas para Cancellier na UFSC. “Reputações construídas duramente, ao longo de anos de trabalho e sacrifícios, podem ser completamente destruídas numa única manchete de jornal. Para pessoas inocentes, o prejuízo é irreparável. Cabe-lhes a vergonha, a dor e o sentimento de injustiça. O peso destes sentimentos pode ser insuportável”.

Em carta, os colegas da Faculdade de Direito do reitor da UFSC disseram que "hoje foi um dia de profunda tristeza na Universidade Federal de Santa Catarina. Um dia onde perdemos o amigo, o colega de departamento e o reitor de nossa universidade. O colega de voz calma que sempre buscava construir o diálogo e o meio termo (Luiz Cancellier era leitor assíduo de Habermas e acreditava na construção dialógica de consensos possíveis). O colega que optara por estudar Direito e Literatura, fugindo das lides forenses que nos endurecem nos embates do cotidiano, se refugiando na doçura da arte de um Shakespeare, de um Kafka, de um Camus, de um Machado de Assis, de uma Cecília Meireles. O colega que era respeitado no CCJ pela habilidade com que resolvia conflitos e que se tornou reitor de uma das mais importantes universidades da América Latina. Perdemos o colega para o punitivismo de um Estado policialesco (e de uma parte da sociedade que adere a esse discurso) que rebaixa todos à condição de criminosos prévios, sem direito à defesa ou contraditório. Que primeiro prende e depois investiga. Que destrói reputações e depois arquiva. Perdemos o colega para o senso comum que denuncia, condena e executa com base no achismo. Perdemos o colega para elementos de exceção que se continuarem a ser alimentados poderão levar a caminhos perigosos para a nossa jovem, mas já combalida democracia. Perdemos o amigo para um estilo de processo penal que tem crescido nos últimos anos em nosso país, altamente seletivo e inquisitorial, baseado em um discurso de emergência que elege inimigos e bodes-expiatórios de ocasião. Para um tipo de Justiça de iluminados que separa o mundo entre os puros e os impuros e que decreta cruzadas para derrotar o inimigo difuso. Cau foi imolado nesse contexto. Temos muito que aprender com isso. Adeus Cau!"

Também em nota, a direção da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), diz o seguinte:

“A ANDIFES profundamente consternada comunica o trágico falecimento do Prof. Dr. Luiz Carlos Cancellier, Reitor da Universidade Federal de Santa Catarina, ocorrido na manhã desta segunda-feira. O sentimento de pesar compartilhado por todos/as os/as reitores/as das universidades públicas federais, neste momento, é acompanhado de absoluta indignação e inconformismo com o modo como foi tratado por autoridades públicas o Reitor Cancellier, ante um processo de apuração de atos administrativos, ainda em andamento e sem juízo formado. É inaceitável que pessoas de bem, investidas de responsabilidades públicas de enorme repercussão social tenham a sua honra destroçada em razão da atuação desmedida do aparato estatal. É inadmissível que o país continue tolerando práticas de um Estado policial, em que os direitos mais fundamentais dos cidadãos são postos de lado em nome de um moralismo espetacular. É igualmente intolerável a campanha que os adversários das universidades públicas brasileiras hoje travam, desqualificando suas realizações e seus gestores, como justificativa para suprimir o direito dos cidadãos à educação pública e gratuita. Infelizmente, todos esses fatos se juntam na tragédia que hoje temos que enfrentar com a perda de um dirigente que por muitos anos serviu à causa pública. A ANDIFES manifesta a sua solidariedade aos familiares e amigos do Reitor Cancellier e continuará lutando pelo respeito devido às universidades públicas federais, patrimônio de toda a sociedade brasileira”.

A nota assinada pelo reitor da UFRJ, professor Roberto Leher, diz que:

“Recebemos com perplexidade, tristeza e preocupação a notícia da morte do professor Luiz Carlos Cancellier de Olivo, reitor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Sua história de vida foi também uma trajetória de extrema ligação e dedicação à UFSC, onde se formou em Direito, dedicou-se ao mestrado e doutorado, foi diretor do Centro de Ciências Jurídicas, docente da graduação e da pós e, mais recentemente, reitor da instituição. Expressamos nosso pesar e solidariedade à sua família, amigos e à comunidade universitária da UFSC neste momento de tristeza”.

Por sua vez, a COPPE - Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro – expediu a seguinte nota:

“A Coppe/UFRJ lamenta o suicídio do reitor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), professor Luiz Carlos Cancellier de Olivo, ocorrido na manhã desta segunda-feira. O reitor, desde o dia 14 de setembro, conforme noticiado pela imprensa, estava amargurado por ter sua imagem associada a práticas ilegais que não condizem com sua trajetória de acadêmico e gestor público, infelizmente veiculada, sem observância dos direitos fundamentais de presunção de inocência e do devido processo legal. Nos últimos dias almejava que a Justiça lhe desse o direito de continuar a orientar seus alunos. A Coppe transmite a seus familiares e amigos, assim como a todos da comunidade da irmã UFSC, o seu profundo pesar”.

A Decana do CCS, Profª Drª Maria Fernanda Santos Quintela da Costa Nunes, ao tomar conhecimento da morte do Prof. Dr. Luiz Carlos Cancellier de Olivo, reitor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), durante a reunião ordinária do Conselho de Coordenação do Centro de Ciências da Saúde (CCS), no dia 2/10, comunicou o fato aos conselheiros. Ela ressaltou que “o professor era pessoa bastante conhecida e respeitada por sua dedicação à vida acadêmica e sua morte causa indignação não somente aos seus familiares, amigos e colegas da UFSC, mas, tembém, a todo o setor acadêmico brasileiro. Estamos consternados com a morte de Cancellier e indignados com as circunstâncias que a provocaram”.

MOÇÃO DE PESAR

O Conselho de Coordenação do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal do Rio de Janeiro, em reunião ordinária no dia 2 de outubro do corrente ano, aprovou por unanimidade MOÇÃO DE PESAR pela morte do Prof. Dr. Luiz Carlos Cancellier de Olivo, reitor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), ocorrida na referida data em Florianópolis. Os conselheiros também expressaram votos de condolências aos familiares de Cancellier, extensivos aos amigos e professores, técnico-administrativos e alunos da UFSC.

Rio de Janeiro, 2 de outubro de 2017

Centro de Ciências da Saúde - CCS

Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Cidade Universitária - Ilha do Fundão

EVENTO NO MUSEU DE ARTE MODERNA

Evento no Museu de Arte Moderna 2017

A realização da "Oficina de Patrimônio Genético e Conhecimento Tradicional Associado: a Lei da Biodiversidade na Prática” acontecerá no dia 08/11, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAR), na Praça Mauá. Essa oficina tem como propósito promover debate entre diferentes atores da sociedade civil e do governo, vinculados com a abrangência da Lei da Biodiversidade (Lei 13.124/2015), no que tange ao acesso ao Patrimônio Genético e ao Conhecimento Tradicional Associado, sobre a interoperabilidade da plataforma do Sistema Nacional de Gestão do Patrimônio Genético e do Conhecimento Tradicional Associado (SISGEN). Como produto final, busca-se realizar um teste e uma avaliação do SISGEN, com diversos usuários da indústria, academia, dentre outros vinculados ao conhecimento tradicional associado, para elaboração de um relatório técnico com sugestões e propostas para melhorias do SISGEN. A comissão organizadora é integrada por Ana Cláudia Dias de Souza (ABIFINA), Cristina Garcia (L´Óreal). Danilo Ribeiro de Oliveira (Faculdade de Farmácia/UFRJ), Flávia do Carmo (Agência UFRJ de Inovação), Kone Cesário (Faculdade Nacional de Direito/UFRJ), Manuela da Silva (Fiocruz), Mariana Matos (Faculdade de Farmácia/UFRJ), Natália Brayner (IPHAN), Renata Angeli (UEZO), Simone de Almeida Ribeiro (L´Óreal) e Stéphanno Monteiro (Faculdade de Farmácia/UFRJ).

 

Contato através do e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .

As inscrições são feitas através do link:

https://www.sympla.com.br/oficina-de-patrimonio-genetico-e-conhecimento-tradicional-associado__198126.

E as novidades sobre o evento serão divulgadas na sua página oficial do Facebook:

https://www.facebook.com/Oficina-Patrim%C3%B4nio-Gen%C3%A9tico-e-Conhecimento-Tradicional-Associado-818004421738946/

EVENTO DO NUTES

Evento do NUTES - Midias Sociais e Vigilancia 2017

Veja as informações do evento do Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde -  NUTES - órgão suplementar do Centro de Ciências da Saúde - CCS -, nesta 4ª feira, 4/10, no cartaz.