ccs-logo

Show de recepção a novos alunos

Semana de Calouros-Acoustic Blues 2017-1

 

No dia 16/3, quinta-feira, das 12 às 13 horas, no Teatro de Arena do CCS, no prédio do Centro de Ciências da Saúde, os alunos que ingressaram nos cursos das unidades acadêmicas do CCS irão assistir show musical com Jefferson Gonçalves e Kleber Dias, do Acoustic Blues.

Jefferson e Kleber farão releituras de músicas de compositores que contribuíram para a história do blues, tendo dentre eles Lightnin Hopkins, Mississippi John Hurt, Blind Blake, Taj Mahal, além das famosas duplas de blues acústicas, como Sonny Terry e Brownie Mc Ghee, Junior Wells e Buddy Guy, Sonny Boy Williamson I e Big Joe Williams, entre outras.

Eles também tocaraão músicas autorais, clássicos do blues, country blues, folk, entre outros estilos. A afinidade entre eles é tão grande que em certos momentos do show remetem o público a atmosfera de locais onde o gênero musical blues despontou, como Mississipi, Chicago e Memphis.

Aula Inaugural do CCS com Prof. Dr. Vivaldo Moura Neto

Aula-Inaugural 2017-1

Prof. Dr. Vivaldo Moura Neto, Professor Emérito da UFRJ, irá proferir a aula inaugural do 1º semestre de 2017 no CCS, Auditório Professor Rodolpho Paulo Rocco, dia 08/03 às 09:30h.

Graduado em História Natural pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ-1970), mestre em Bioquímica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ-1977) e doutor em Doctorat Ès Sciences Doctorat D'etat - Université Pierre et Marie Curie (1984).

Apresenta o tema "Na Ciência como na Vida há que se ter perspectiva histórica, respeitar o contraditório e ser feliz: um contraditório em neurociência e ailleurs".

UFRJ e Fiocruz: Pós-graduação Compartilhada

Foto: Diogo Vasconcellos - CoordCOM/UFRJ

Pos-graduacao-ufrj-fiocruz 2017

Leila Rodrigues, Valcler Rangel Fernandes, Denise Nascimento, Roberto Leher, Nísia Trindade Lima, Manoel Barral Netto, José Carlos Pinto

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) planejam oferecer disciplinas e programas de pós-graduação compartilhados entre as duas instituições, referências em pesquisa de ponta na área de saúde. A decisão foi tomada após a primeira reunião entre a Reitoria da UFRJ e a presidente recém-eleita da Fiocruz, Nísia Trindade Lima, na segunda-feira (6/2), na UFRJ. A UFRJ e a Fiocruz têm se destacado recentemente nas pesquisas sobre o Zika vírus, mas Leher ressaltou que a atuação em políticas sociais e econômicas nas comunidades próximas também pode ser aprimorada. São projetos sociais envolvendo mulheres da Maré, assistência jurídica e de saúde para as populações locais, entre outros já em andamento.

“Entendemos que temos condições de avançar em disciplinas comuns na pós-graduação de determinados cursos e realizar cotutela. Chegamos a discutir e abrir a agenda de uma diplomação em alguns cursos, simultaneamente, pela UFRJ e pela Fiocruz”, afirmou Roberto Leher, reitor da UFRJ.

De acordo com Nísia, o ponto principal da reunião foi “pensar a importância da Fiocruz e da UFRJ no cenário da Ciência, Tecnologia e Educação em nível nacional”, também considerando a cidade e o Estado do Rio de Janeiro. Para consolidar as ações, as instituições já planejam a criação de grupos de trabalho.

Acompanhada de Valcler Rangel Fernandes, chefe de gabinete, e Manoel Barral Netto, vice-presidente de Educação, Informação e Comunicação, Nísia Trindade Lima foi recebida também pela vice-reitora da UFRJ, Denise Nascimento, pela pró-reitora de Pós-Graduação e Pesquisa, Leila Rodrigues, e pelo diretor do Parque Tecnológico, José Carlos Pinto.

Centro de Referência no campus

Em outubro do ano passado, UFRJ e Fiocruz assinaram um acordo para a instalação, no Parque Tecnológico da Universidade, do Centro de Referência Nacional em Farmoquímica do Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos/Fiocruz). Nísia informou que em março a Fiocruz realizará uma oficina “para maior detalhamento das ações, com vistas a consolidar” o projeto.

“Isso vai ser feito principalmente com nosso grupo da Farmanguinhos, unidade de produção de fármacos da Fiocruz, mas sempre pensando essa associação da produção com o desenvolvimento tecnológico e a pesquisa”, disse.

O projeto, segundo Leher, poderá contribuir para “fortalecer o Sistema Único de Saúde” e investigar o tratamento de doenças negligenciadas pela indústria farmacêutica. (Jean Souza - Assessor de Imprensa Gabinete do Reitor da UFRJ).

 

Nota de pesar do CCS

 Nota de pesar Prof Wolfgang Christian Pfeiffer 2017

A direção da Decania do Centro de Ciências da Saúde (CCS) manifesta profundo pesar pelo falecimento do professor emérito Wolfgang Christian Pfeiffer, do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho (IBCCF) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), ocorrido 15/2. Ele foi pioneiro e referência internacional no campo de pesquisas acerca da contaminação ambiental por metais pesados, tendo sido o idealizador do Projeto de Contaminação Ambiental e Humana por Mercúrio na Amazônia.

Formado pela Escola Federal de Farmácia e Bioquímica de Ouro Preto, em Minas Gerais, ingressou no IBCCF como auxiliar de ensino em 1970,  tornou-se professor quatro anos depois e permaneceu servindo à instituição até a data do falecimento. Além disso, era membro da Academia Brasileira de Ciências e de outras organizações de pesquisa científica e teve papel importante para outras instituições de ensino, como a Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), na qual o Laboratório Experimental da Reserva Biológica União foi batizado em sua homenagem.

Para o professor Olaf Malm, também do IBCCF, “a dedicação que o Wolfgang teve às atividades de pesquisa e didáticas e às funções administrativas, somada à sensibilidade nas relações pessoais, só evoca carinho, respeito, admiração e agora saudade de todos que com ele conviveram”.

TRAJETÓRIA

Nascido em agosto de 1942, na Alemanha, chegou ao Brasil em 1948 passando a residir em São Paulo, onde cursou o 1º e 2º ciclo colegial. Brasileiro por opção em 1963 foi admitido na Escola Federal de Farmácia e Bioquímica de Ouro Preto, MG, graduando-se em 1966, ano em que teve o seu primeiro contacto com o Instituto de Biofísica da UFRJ. No período de 1967/68 realizou estágio de aperfeiçoamento em análises químicas instrumentais na Universidade de Heidelberg, com bolsa do DAAD da Alemanha. Nesta Universidade, iniciou-se na pesquisa com o uso de traçadores radioativos. Admitido no Programa de Doutorado do Instituto de Biofísica graduou-se em 1972 com a tese "Análise por ativação de fluor e estrôncio em dentes humanos induzida por fótons de alta energia". Contratado pela UFRJ como Cooperador de Pesquisa em 1968, passa a Professor Associado em 1974, a Professor Adjunto em 1977 e a professor Titular em Biofísica Ambiental por concurso público em 1994. Sempre trabalhando no Laboratório de Radioisótopos torna-se o principal colaborador do prof. E. Penna Franca e passa a conduzir linhas de pesquisa independentes e a orientação de alunos de pós-graduação a partir de 1976. Estágios de treinamento e pesquisa em várias instituições: Alemanha (vários laboratórios, 1973), Health and Safety Laboratory, NY, USA, Institute of Environmental Medicine NYU, (1974), cursos em Porto Rico, Centro Nuclear de Julich, Alemanha, CENA em Piracicaba, SP, entre outros. Torna-se especialista em radiometria, análise por ativação e participa ativamente do programa de pesquisa radioecológica nas áreas brasileiras de elevada radioatividade natural. Com o término deste programa em 1975, passa a desenvolver um novo setor no Laboratório, dedicando-se com sua equipe ao estudo da poluição do ar por aerosóis e metais pesados na Cidade do Rio de Janeiro e investigações do comportamento de metais pesados nos principais corpos hídricos do Estado do Rio de Janeiro. Desenvolve metodologia própria na avaliação de poluentes ambientais, adaptando a abordagem por parâmetros críticos até então só utilizada no país para instalações nucleares. As pesquisas conduzidas neste campo contribuíram marcadamente para o aperfeiçoamento dos métodos até então utilizados por várias instituições governamentais de controle da poluição e por grupos universitários. Em 1985 lança-se ao estudo do Impacto Ambiental, Ecotoxicológico e Sanitário da poluição por mercúrio oriundo de garimpos de ouro na Amazônia Legal. Setenta artigos publicados (50 em revistas internacionais), sete capítulos de livros (4 internacionais), Quarenta e dois artigos plenos publicados em Anais de Congressos (30 internacionais), 135 comunicações em Congressos (27 internacionais). Orientou 23 teses de pós-graduação já concluídas e nove em desenvolvimento. No período de 1974/79 exerceu a Coordenação de Ensino de Pós-Graduação do Instituto de Biofísica. Coordenador Administrativo do Instituto de Biofísica de 1984 a 1987. Desde 1988 ocupa a Chefia do Laboratório de Radioisótopos. Há muitos anos colaborava ativamente com as agências governamentais de fomento da pesquisa científica: Presidente do Comitê de Ciências Biológicas da CAPES (1980/82), assessor da FINEP, CNPq, CAPES, FEEMA, IBAMA. De 1989/95 coordenou a criação e implantação do Sub-Programa de Ciências Ambientais (CIAMB) no PADCT II do MCT. A partir de 1991 passa a fazer parte do Corpo Editorial da revista Science of Total Environment. Em 1994 organiza e coordena o International Workshop on Environmental Pollution and its Health Effects in the Amazon Basin, em conjunto com o National Institute for Minamata Disease, do Japão.

Curso à Distância em Tabagismo

Curso Tabagismo 2017

Com vagas limitadas e carga de 120 horas, a terceira edição do Curso à Distância em Tabagismo tem inscrições marcadas para 06 a 17/03 e realização prevista para o período de 24/04 a 16/06. A primeira edição foi realizada em 2015, com oferta de 60 vagas. Mas, em virtude do número de pessoas interessadas, a participação foi ampliada, sendo que na segunda edição, em maio de 2016, a oferta aumentou para 85 vagas.

O curso foi idealizado na modalidade de ensino à distância (EAD), gratuito, anual, dirigido a profissionais de saúde e áreas afins, com graduação, que comprovem algum vínculo profissional com o tema.

Tem por objetivo capacitar esses profissionais para atuar na prevenção e tratamento do tabagismo, permitindo o acesso a informações sobre epidemiologia, políticas de controle e prevenção e abordagem interdisciplinar no tratamento. O tabagismo está associado às principais doenças crônicas não transmissíveis, dentre elas as cardiovasculares, cerebrovasculares, DPOC e câncer de pulmão.

O curso foi desenvolvido no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) MOODLE, utilizando diversos recursos da Internet, e é composto por atividades estruturadas em seis módulos, ao longo de oito semanas, com pré e pós-teste; vídeo­aulas disponibilizadas junto a textos e vídeos temáticos, complementares; fórum de discussão de casos clínicos; perguntas e respostas e notícias pertinentes ao curso; verificação de conhecimentos a cada módulo e envio de trabalho final escrito com tema de livre escolha do aluno.

O Curso de Atualização no Tratamento e Prevenção de Tabagismo é coordenado pelo Laboratório de Ensino à Distancia do IDT (Lab EAD/IDT), em parceria com o Núcleo de Estudos e Tratamento do Tabagismo (NETT/IDT). Importante ressaltar que o laboratório é formado por equipe multiprofissional, pertencente ao setor de Telemedicina do Instituto de Doenças do Tórax (IDT/UFRJ), que é vinculado ao projeto RUTE (Rede Universitária de Telemedicina) do MCTIC (Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações).

Informações gerais no tel: (21) 3938-6262 e e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .