ccs-logo

Unidade Multiusuário

Inauguracao Unidade Multiusuario de Analises Ambientais -UMAA 1 2016

No dia 12/12 foi inaugurada a Unidade Multiusuário de Análises Ambientais - UMAA. Localizada no Centro de Ciências da Saúde (CCS), conta com equipamentos de alta performance, que possibilita a realização de uma ampla gama de análises. Concomitante à inauguração foi realizado o workshop "Fronteiras e Avanços em Análises Ambientais", contando com a participação de pesquisadores internacionais e dos comitês gestor e consultivo da UMAA, além da decana do CCS, profª Maria Fernanda; e da vice-reitora da UFRJ, profª Denise Nascimento. Para entrar em contato com a UMAA, acesse: www.umaa.com.br.

Inauguracao Unidade Multiusuario de Analises Ambientais -UMAA 2 2016

Inauguracao Unidade Multiusuario de Analises Ambientais -UMAA 3 2016

Inauguracao Unidade Multiusuario de Analises Ambientais -UMAA 4 2016

Prêmio de Incentivo em Ciência e Tecnologia para o SUS

Premio de Incentivo em Ciencia e Tecnologia para o SUS 2016

Amanda Valverde recebe a premiação em Brasília

"Introdução da fitoterapia no SUS: contribuindo com a estratégia de saúde da família na comunidade rural de Palmares, Paty do Alferes-RJ" recebeu a premiação de melhor dissertação de mestrado, dentre 111 inscritos de diversas instituições de ensino acadêmico no país, na 15ª edição do Prêmio de Incentivo em Ciência e Tecnologia para o SUS, que se realizou em Brasília, no dia 13/12. Amanda Viegas Valverde, autora do trabalho e que teve orientação da profª Nina Claudia Barboza da Silva (Faculdade de Farmácia/UFRJ) e coorientada pela profa. Mara Zélia de Almeida (UFBA), recebeu o prêmio das mãos do Secretário de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde, Marcos Fireman.

O trabalho, desenvolvido no âmbito do Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia Farmacêutica da Faculdade de Farmácia/UFRJ, promoveu a capacitação em plantas medicinais da equipe de saúde da unidade de Palmares, elaborou um memento fitoterápico voltado para a demanda da comunidade e, ainda, estabeleceu uma horta de plantas medicinais para fins educacionais.

Este ano, as Políticas Nacionais de Plantas Medicinais e Fitoterápicos (PNPMF) e a de Práticas Integrativas e Complementares para o SUS (PNPMF) completam 10 anos. Para a profª Nina da Silva, “o recebimento do prêmio é um incentivo para que continuemos lutando por um sistema de saúde inclusivo, igualitário e para todos”.

O Prêmio de Incentivo em Ciência e Tecnologia para o SUS, que completa 15 anos em 2016, é uma iniciativa do Decit/SCTIE/MS que busca valorizar os pesquisadores da área da saúde e suas pesquisas, indispensáveis para o desenvolvimento das políticas públicas de saúde no país. Pesquisas que contribuam para o fortalecimento do SUS, aperfeiçoem as práticas desempenhadas pelo Ministério da Saúde e melhorem a qualidade de vida dos pacientes de maneira eficaz e com menor custo foram o foco da 15ª edição do evento.

Mais detalhes nos links:

https://www.youtube.com/watch?v=HA0jkXQIa-s

http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/secretarias/sctie/noticias-sctie/25423-comissao-julgadora-do-premio-de-incentivo-em-ciencia-e-tecnologia-para-o-sus-2016-define-finalistas

 

 

 

O INJC homenageou a profª Nelzir Reis, autora da 1ª prescrição dietética no país

Homenagem a Profa Nelzir Reis 1 2016

Profas. Lúcia Andrade, presidente da ANERJ; Glória Veiga, diretora do INJC; Nelzir Reis, a homenageada; e Renata Nogueira, representante do CRN4

Na sessão ordinária da Congregação do Instituto de Nutrição Josué de Castro (INJC), ocorrida dia 21/11, no Auditório Profª Sônia Moreira Alves, no prédio do Centro de Ciências da Saúde (CCS), a profª Nelzir Trindade Reis foi homenageada pela passagem dos 50 anos decorridos dos quais comandou a primeira prescrição dietética no Brasil. Ela recebeu placa de prata e buquê de flores. A cerimônia foi feita pela profª Elizabeth Accioly, representante dos professores associados, estando à mesa a profª Glória Veiga, diretora do INJC; a nutricionista Renata Nogueira, representando o Conselho Regional de Nutricionistas da 4ª região; e a presidente da Associação de Nutrição do Estado do Rio de Janeiro (ANERJ), profª Lúcia Andrade.

Elizabeth Accioly, em nome do corpo social do INJC, fez retrospecto da trajetória de Nelzir Reis, que ingressou como aluna no então Instituto de Nutrição da Universidade do Brasil, em 1963, quando a sede da instituição estava localizada nas proximidades da Santa Casa da Misericórdia, no Castelo. Participou da criação do diretório acadêmico da unidade, que recebeu o nome de Josué de Castro, em homenagem ao patrono que, à época, estava exilado na Europa após a decretação do Ato Institucional Nº5, instituído pelo regime civil-militar, que vigorou no Brasil de 1964 a 1985.

Nelzir foi a primeira presidente do diretório acadêmico e se formou em 1966, sendo que à época a profissão de nutricionista não era regulamentada. Iniciou a atividade no Hospital Geral de Bonsucesso, antigo hospital do IAPETEC, até 1971, e, ainda, no hospital do IASERJ, até 1970. Foi no HGB que protagonizou importante capítulo da história da profissão de nutricionista: a primeira prescrição dietética por uma nutricionista.

No ano de 1969 ingressou como docente do INJC, onde deu aula até 1993, formando e encantando legiões de estudantes da UFRJ e de outras instituições. Recebendo-os em atividades curriculares e extracurriculares no atual Instituto de Endocrinologia da Santa Casa da Misericórdia, escola de formação em Nutrição Clínica, onde, até hoje, realiza atividades assistenciais e docentes, atendendo graduandos e graduados. Ela exerceu atividade como docente também na Universidade Federal Fluminense (UFF), na Faculdade de Nutrição Emília de Jesus Ferreiro e outras instituições de ensino.

Ela tem sido parceira de entidades de classe, tendo participado da gestão da Associação Brasileira de Nutrição (1968-1970), sob a presidência da saudosa diretora do INJC, profª Neuza Therezinha de Resende Cavalcante, e do Conselho Regional de Nutricionistas (1983-1986), tendo na presidência Emília de Jesus Ferreiro. Enquanto docente implantou e chefiou o Serviço de Nutrição e Dietética do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), entre 1978 e 1981. Atualmente exerce várias atividades, como docente e palestrante em eventos e cursos por todas as regiões do país.

Ela conta que “a primeira prescrição dietética foi realizada no dia 6/10/1966, no 3º andar do Hospital do IAPETEC, tendo como chefe do andar, o professor Fernando Guerra Alvarez . A prescrição foi baseada nos pacientes que ali estavam internados, que recebiam dietas padronizadas. Igual para tudo: se era hipertenso, tirava só o sal e, por aí afora. Então, começamos a trabalhar a prescrição individualizada, com base na Avaliação Nutricional criteriosa; olhando o doente, conhecendo o doente, fazendo antropometria e olhando o exame bioquímico. Os resultados foram bons, uma vez que, a partir daí, o andar todo, conhecido como Clínica Médica, passou a receber a dieta individualizada”.

Segundo Nelzir Reis, os pacientes que mais necessitam da prescrição dietética, no entendimento dela, “é qualquer paciente, pois sou 100% contra toda e qualquer padronização e qualquer protocolo. Em relação à alimentação, na época, em todos os hospitais, era muito precária. Os doentes já sabiam de um dia para o outro o que iriam comer e que comiam a mesma coisa todos os dias, então, não havia respeito ao ser humano. Em 1967 a profissão foi regulamentada, sendo que naquela ocasião ainda não estava inserido na regulamentação da profissão que a prescrição seria do Nutricionista. Começamos um trabalho juntamente com a professora Nely Rodrigues; nós no INPS e ela, no IED, com o professor Francisco Arduíno. Começamos a viajar, orientando aos nutricionistas como prescrever e como chegar a um Diagnóstico Nutricional. Somente no final da década de 80, com a revisão da Lei da Regulamentação da Profissão, foi incluído na legislação, a Prescrição Dietética, elaborada pelo nutricionista. Nessa ocasião, nós éramos presidentes do Conselho Federal. Em relação ao processo se dar em todo o Brasil, infelizmente ainda não. Isto não acontece em todo Brasil. Minha maior tristeza é que o Estado que melhor aplica a prescrição dietética individualizada hoje, não é o Rio de Janeiro, onde a história começa, e sim, o Estado do Rio Grande do Sul. O Rio de Janeiro, infelizmente está caindo na rotina”.

Ela revela que “as professoras Neuza Therezinha e Mirtilla Cotrim de Araújo disseram que estavam tendo problemas na Dietoterapia e se eu aceitaria ficar com a Dietoterapia Aplicada. Aceitei. Fiquei com a disciplina e, a partir daí, comecei a questionar com o nobre professor Clementino Fraga Filho, a importância de toda a Dietoterapia e a Patologia da Nutrição ser dada por um nutricionista. Na ocasião, ele me fez uma proposta de me transferir para a Faculdade de Medicina, onde eu daria esta disciplina. Eu disse para ele levar a disciplina, que eu continuaria no Instituto de Nutrição. Ele concordou e nós passamos a assumir a disciplina Patologia da Nutrição-Dietoterapia I, Patologia da Nutrição Dietoterapia II, no Instituto de Nutrição”.

E completa: “Começamos como auxiliar de ensino, fizemos concurso para Professor Assistente, depois de Professor Adjunto. Em 1993 pedi 40 horas no Instituto de Nutrição. A diretora do instituto, na ocasião, junto ao reitor, considerou que meu tempo estava acabando e, que em pouco tempo, eu me aposentaria e não ficaria no Instituto de Nutrição. Parti do princípio que eles não sabiam fazer contas. Então pedi aposentadoria e continuei trabalhando como faço até hoje. Sinto, realmente, que poderia estar até hoje no Instituto de Nutrição da UFRJ, onde foi minha casa, mas, que, infelizmente, por ‘obra do destino’, tive de aceitar. Mas sou professora titular na Universidade Veiga de Almeida; aposentei-me como professora titular na UFRJ. Fui Coordenadora de Nutrição no Instituto de Nutrição José de Castro, chefe de departamento, implantei departamentos, ajudei na implantação do HUCFF, fui diretora de divisão e, enfim, dei o que pude do meu sangue, da minha vontade para a UFRJ”.

Homenagem a Profa Nelzir Reis 2 2016

Professores e alunos na homenagem a profa. Nelzir Reis, na Congregação do INJC

Som do silêncio

Som do silencio 2016

O Concerto Som do Silencio - A Suite da Copula realizado no dia 2/12, sexta-feira, às 14 horas, no Auditório do Bloco N, no prédio anexo ao Centro de Ciências da Saúde (CCS), na Cidade Universitária, na Ilha do Fundão, homenageou o dr. Alexandre Peixoto, ex-aluno do Instituto de Biologia da UFRJ e pesquisador da Fiocruz, falecido há cerca de três anos. Ele estudava o papel biológico dos sons dos insetos vetores. Assim, graças ao financiamento da FAPERJ e a parceria com dois ex-alunos do dr. Peixoto, os também pesquisadores dr. Fillipe Vigoder (Instituto de Biologia da UFRJ) e a dra. Rafaela Bruno (Fiocruz), foi elaborado o projeto O Som do Silêncio, que possuía em sua origem três objetivos principais: a transmutação dos sons de copula dos mosquitos e flebotomonos em suítes musicais, feita pelo maestro Erivaldo Fraga e que usara essas informações para sua Tese de Mestrado; a produção de um DVD, cujas ultimas imagens obtidas pela equipe de Dogi Vasconcellos, por ocasião do concerto no dia 2/12; e a realização do concerto propriamente dito com a presença do corpo social da UFRJ, a família do dr. Alexandre Peixoto e seus ex-alunos.

I Semana Arte+Ciência

I Semana ArteCiencia 2016

Do dia 19 a 26 de novembro de 2016 ocorrerá a I Semana Arte+Ciência, no Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O evento é composto por múltiplas atividades que buscam atingir uma grande diversidade de público, tais como: professores do ensino básico, musicoterapeutas, e o público em geral. Todos com inscrição gratuita, mas com vagas limitadas e distintas para cada atividade.

Dentre as atividades que comporão a I Semana Arte+Ciência estão:

O prazo previsto para inscrições vai até o dia 15 de novembro de 2016, entretanto serão encerradas assim que o número de vagas oferecidas for atingido. Não haverá lista de espera, nem será possível a participação como “ouvinte” (participante não inscrito) nas atividades.

Mais informações informações sobre cada uma das atividades oferecidas poderão ser obtidas através do site www.cienciasecognicao.org/portal .

Cartaz em anexo.