ccs-logo

Programa Lean Launchpad

Programa Lean Launchpad 2017

O Parque Tecnológico da UFRJ está apoiando a realização do Programa Lean Launchpad da Universidade da California - Berkeley, em parceria com o Instituto COPPEAD de Administração da UFRJ. A metodologia, usada para o desenvolvimento de empresas de base tecnológica, trabalha com a criação de uma startup e baseia-se em intensas interações com o mercado, a fim de reduzir incertezas em uma dinâmica de alta pressão.

A fim de esclarecer eventuais dúvidas, um evento de divulgação do programa será realizado no dia 10/4, segunda-feira, às 14h, no Auditório do Parque Tecnológico. As inscrições para o evento devem ser realizadas através do link. Qualquer dúvida, contato através do e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .

Se o interessado tem uma startup ou empresa de tecnologia, ou faz parte de um time de empreendedores diferenciados, a boa notícia é:

UC Berkeley Lean Startup Program no Rio de Janeiro

O mais respeitado treinamento em empreendedorismo da atualidade iniciará no dia 18 de maio.

O treinamento incluirá 1 semana presencial, 6 semanas online e 1 semana final presencial, sempre com os instrutores da UC Berkeley. Além de receber o treinamento, ao final do programa, você terá a chance de apresentar seu negócio para um grupo de investidores.

Cronograma

- 18, 19, 22, 23, 24 de maio: sessões presenciais e visitas a potenciais clientes

- 29 de maio a 7 de julho: 1 sessão online por semana e visitas a potenciais clientes

- 10 a 14 de julho: semana de encerramento com sessões presenciais + apresentação para investidores

*O cronograma definitivo poderá sofrer pequenos ajustes

Local

Auditório do Parque Tecnológico da UFRJ

Rua Paulo Emídio Barbosa, 485 - Cidade Universitária, Rio de Janeiro

Realização: UC Berkeley

UFRJ e Fiocruz firmam cooperação técnica

Foto: Diogo Vasconcellos (CoordCOM/UFRJ)

UFRJ e Fiocruz firmam cooperacao tecnica 1 2017

Nísia Trindade Lima e Roberto Leher

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) firmaram, 5/4, acordo de cooperação técnica inédito na história das instituições. A parceria aprimorará as ações já realizadas em conjunto e promoverá novas oportunidades por meio de eixos temáticos que englobam preservação do patrimônio, divulgação científica, inovação e o cenário científico e tecnológico da cidade do Rio de Janeiro, entre outros. Com projetos já consolidados, como a colaboração entre o Laboratório de Virologia Molecular da UFRJ e a Bio-Manguinhos, as instituições não apenas intensificaram as contribuições na área da saúde, como também geraram uma economia de aproximadamente U$180 milhões para o país entre 2010 e 2016, deixando de importar tecnologia estrangeira para testagem de sangue em hemocentros.

Foto: Jean Souza (UFRJ)

UFRJ e Fiocruz firmam cooperacao tecnica 2 2017

Laboratório de Virologia Molecular da UFRJ

Kit em hemocentros

O Kit NAT, desenvolvido pelas instituições, é o primeiro automatizado de biologia molecular para serviços de saúde do país. Empregado hoje em 14 hemocentros brasileiros, a ferramenta promove a testagem de HIV e hepatite A e B e passará a testar dengue, zika e malária.

O reitor da UFRJ, Roberto Leher, afirmou que, "em um momento de dificuldades nas áreas da saúde e tecnologia, é necessário que as instituições se aliem para cumprir suas funções como patrimônio público. Não podemos sucumbir. Muito pelo contrário: nosso trabalho tem um impacto direto para a população.”

Dentre os destaques do acordo, está a articulação entre o complexo de nove hospitais da UFRJ e a rede da Fiocruz, a fim de estimular a troca de informações e o desenvolvimento científico. Leher ressaltou a importância da complementaridade na conjunção da pesquisa básica com a clínica. “A articulação desses dois setores é fundamental para a pesquisa. Na UFRJ temos uma maternidade, um hospital específico para crianças (IPPMG), além das outras unidades, que podem auxiliar, por exemplo, na pesquisa sobre a Zika. A integração entre nosso sistema e a Fiocruz permite mais ações em conjunto.”

O plano de cooperação envolverá também todos os níveis de ensino, incluindo graduação, pós-graduação, além de projetos de educação básica ampliados para a região da Maré e Manguinhos. 

A presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima, enfatizou que é intrínseco às instituições fortalecer esses vínculos e reafirmar as ações de pesquisa. Segundo ela, a instituição encontra-se em dez estados espalhados por todas as regiões do país, o que pode ampliar o alcance das pesquisas. 

“Nós somos orientados pelo papel da tecnologia, da educação e da saúde, com vistas ao desenvolvimento do país. Compartilhamos princípios particularmente no momento em que seguimos garantindo nossos valores públicos. As políticas públicas que resultam na evolução para a sociedade não podem ser vistas como gastos, mas sim como investimentos". Assessoria de Imprensa do Gabinete do Reitor.

Reunião da CARI do CCS

Calendario Anual CARI 2017

Dia 14/3, a Câmara de Relações Internacionais do CCS realizou sua terceira reunião, com o grupo de conselheiros ficando animados com as notícias que prof. Andrew apresentou da reunião da CRI-Reitoria. Finalmente está documentada no Boletim Informativo da UFRJ e no Diário Oficial a implantação da área de Relações Internacionais da UFRJ. Dessa forma, a CRI-Reitoria ocupa a mesma posição hierárquica dos Conselhos CEG e CEPG. A formalização da CRI-Reitoria teve impacto nas CRI das unidades, pois a partir de então fica garantida a solicitação de nomeação, por portaria, dos coordenadores de Relações Internacionais de cada unidade dos centros acadêmicos e a elaboração de seus regimentos.

Outra pauta importante discutida na reunião da CRI-Reitoria foi o acordo de cotutela que está em andamento, finalizando os pareceres. O coordenador da CARI do CCS reforçou a necessidade do grupo se debruçar na elaboração de ações que desenvolvam os quatro pontos basilares da estratégia da CRI-CCS:

São eles: Implementação em cada unidade da política de que cada professor crie e coordene um acordo internacional; Criação e gerenciamento de projetos de extensão na área de Relações Internacionais; Defesa de que cada coordenação tenha um orçamento próprio dentro das unidades; Geração de matérias, notas e publicações que divulguem as iniciativas na área de Relações Internacionais de todas as unidades do Centro, tanto nos veículos de informação internos quanto nas mídias externas à universidade. A parceria com a ELSEVIER vem se costurando por meio do levantamento de informações, por parte da CRI/CCS, que irão mapear o potencial de acordos internacionais, por área, entre as unidades do centro e instituições de ensino e pesquisa em todo o mundo.

A Câmara de Relações Internacionais recebeu de forma muito positiva a participação do jornalista Lenin Novaes, Assessor de Comunicação da Decania do CCS, como membro convidado, nas próximas reuniões da CARI.

Foi lançada a ideia de se dividir os conselheiros por continentes para realização de elaboração de ações de aproximação com instituições de pesquisa, ensino e consulados, de forma a que cada um atue no idioma que se sentir mais confortável.

Evacuação no prédio da Reitoria

Evacuacao no predio da Reitoria 2017

Na próxima sexta-feira, dia 7/4, de 8h às 11h30, acontecerá uma simulação de desocupação de emergência no bloco A do prédio Jorge Machado Moreira (JMM). O teste consiste na evacuação segura de cerca de 100 alunos, que foram selecionados mediante cadastro prévio, do 3º andar até o térreo. O exercício será realizado em duas etapas: às 9h (sem fumaça e com visibilidade completa) e às 10h (com fumaça branca e não tóxica). Cada exercício durará cerca de 20 minutos. A desocupação contará com a participação de cerca 50 cadetes da academia do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ) e uma ambulância básica de salvamento do Grupamento de Bombeiro Militar (GPM) da Ilha do Governador, para eventual emergência. Durante esse período, a circulação no local deve ser evitada para não causar pânico e não comprometer a validade dos resultados. Não se assuste e avise os seus amigos e conhecidos sobre o que acontecerá. É importante evitar o pânico e a circulação no espaço onde ocorrerá a simulação. Só assim a validade do teste estará garantida, o que vai colaborar com a aferição dos níveis de segurança do prédio. CoordCOM/UFRJ

Profª do IECS ganhou Prêmio Faz Diferença

Profa do IECS ganhou Premio Faz Diferenca 2017

A médica Kátia Bloch, professora associada de Epidemiologia e Diretora Adjunta de Pós-Graduação e Pesquisa do Instituto de estudos em Saúde Coletiva (IESC) da UFRJ, unidade acadêmica vinculada ao Centro de Ciências da Saúde (CCS), foi premiada na categoria Ciência e Saúde na 14ª edição do Prêmio Faz Diferença, em 30/3. O prêmio é uma iniciativa de O Globo, junto com a FIRJAN - Federação das Indústrias do Estado do Rio, que distinguiu o trabalho e o talento de pessoas, instituições e empresas brasileiras que se sobressaíram nas suas áreas de atuação no ano passado.

Ela coordenou Estudo de Riscos Cardiovasculares em Adolescentes (Erica), primeira e maior pesquisa já realizada no país sobre a saúde de jovens de 12 a 17 anos. O trabalho, que coletou dados de milhares de estudantes, identificou altas taxas de sobrepeso, colesterol e hipertensão entre adolescentes, evidenciando ainda que os jovens comem mal, com dieta baseada em alimentos processados, e fazem pouco exercício.

- A obesidade é um dos principais fatores de risco para as doenças cardiovasculares. E poderia fazer com que essa geração de jovens tivesse uma expectativa de vida menor que a de seus pais. Então só tenho a agradecer a todos que participaram dessa empreitada. Pesquisa e educação são fundamentais para continuar buscando caminhos para melhorar a saúde do país - disse ela ao receber o prêmio das mãos da colunista Lydia Medeiros, do editor de Radar do site do GLOBO, William Helal, e do chefe da Sucursal de São Paulo, Aguinaldo Novo.

Kátia Vergetti Bloch foi graduada em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, em 1983 e, na mesma universidade, concluiu mestrado em Clínica Médica, em 1990. Fez doutorado na Universidade Federal da Bahia/London School of Hygiene and Tropical Medicine, em 1997. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Epidemiologia, atuando principalmente nos temas: hipertensão arterial, epidemiologia de doenças crônicas e sistemas de informação em saúde. Atualmente é coordenadora executiva nacional do Estudo de Riscos Cardiovasculares em Adolescentes - ERICA, estudo multicêntrico nacional que avaliou o perfil de risco cardiovascular de cerca de 75 mil estudantes de 12 a 17 anos.